Sobre a EFD InductionCarreirasSitemapPrint page • Choose language:

Glossário da indução

Recozimento é um tratamento térmico que altera a microestrutura de um material, gerando mudanças em suas propriedades, como resistência e dureza. Trata-se de um processo que produz condições de equilíbrio ao aquecer determinado material e mantê-lo a uma temperatura adequada até esfriá-lo bem lentamente mais tarde. Ele é utilizado para induzir maleabilidade, aliviar as tensões internas, refinar a estrutura e melhorar as propriedades de trabalho a frio.

 

Ligação (Bonding) é processo de unir partes estruturalmente por meio de um adesivo cozido a temperatura elevada.

 

Brasagem ou “soldagem forte” é um processo de união por meio do qual uma liga ou metal de enchimento não ferroso é aquecido a uma temperatura de fusão acima de 450ºC (800ºF) e distribuído entre duas ou mais partes de encaixe por ação capilar.

 

Temperatura de Curie (ou ponto de Curie) é a temperatura na qual as propriedades magnéticas de certos materiais magnéticos passam por mudança aguda. Especificação: temperatura em que ocorre a transição entre as fases ferromagnética e paramagnética. Acima da temperatura de Curie, o material ferromagnético é puramente paramagnético.

 

Corrente de Foucault é aquela causada por um campo magnético variável intercedendo um condutor ou vice-versa.

 

Indução eletromagnética é a produção de uma diferença de potencial (tensão) em um condutor situado em um fluxo magnético variável.

 

O fluxo é utilizado na brasagem para remover óxidos, prevenir a oxidação e molhar as áreas de união. O excesso de fluxo deve ser removido quando a união estiver concluída. Fluxo deixado na junta pode levar à corrosão.

 

Conversor de frequência é a fonte de energia que fornece corrente alternada de alta frequência. Conversores de frequência por indução modernos são baseados na tecnologia de semicondutores.

 

Indutor é uma bobina que carrega corrente alternada de alta ou média frequência, utilizada para induzir correntes de Foucault para aquecer objetos posicionados em seu interior. A corrente induzida gera também seu próprio campo magnético, em oposição ao campo gerado pelo indutor, prevenindo assim que este último penetre no centro do objeto aquecido.

 

Aquecimento por indução é o processo de aquecimento de materiais condutores de eletricidade por meio da indução eletromagnética, onde correntes de Foucault são geradas dentro do material e a resistência gerada por ele acaba levando ao aquecimento.

 

Têmpera superficial por indução é o processo de endurecimento da superfície de objetos de aço ou ferro fundido pelo aquecimento apenas da superfície, produzindo uma microestrutura martensítica na região aquecida após a têmpera.

 

Fluxo magnético é a integral do campo magnético multiplicada pela área perpendicular penetrada por ela.

 

Normalização significa aquecer a liga ferrosa a uma temperatura adequada acima da faixa de transformação e resfriá-la a uma temperatura significativamente inferior à faixa de transformação. O aço é normalizado para refinar a granulometria, deixar sua estrutura mais uniforme ou elevar a usinabilidade.

 

Profundidade de penetração é a distância da superfície até a profundidade onde a densidade da corrente tiver caído para 37%. A profundidade de penetração aumenta à medida que a frequência diminui. É fundamental que a frequência seja escolhida com relação às dimensões e propriedades elétricas do objeto a ser aquecido.

 

O pós-aquecimento de soldas ocorre imediatamente após a soldagem para temperar, aliviar a tensão ou oferecer uma taxa controlada de resfriamento de modo a prevenir a formação de uma estrutura rígida e frágil.

 

O pré-aquecimento ocorre antes que um aquecimento ou processo mecânico seja aplicado ao material.

 

O queching rápido de metais e ligas é normalmente feito para valores abaixo da faixa crítica de temperatura de modo a endurecê-los.

 

Solda fraca é um processo de soldagem a baixa temperatura utilizando solda com ponto de fusão abaixo de 450ºC (800ºF).

 

Aço inoxidável é o nome popular para ligas de aço resistentes a corrosão e oxidação (ferrugem). Alguns tipos estão listados abaixo:

 

Aço austenítico — principal categoria do aço inoxidável, responsável por cerca de 70% de toda a produção. A classe austenítica oferece a maior resistência a corrosão no grupo de inoxidáveis. Isso se deve à quantidade significativa de níquel (Ni) e aos elevados níveis de cromo (Cr) em sua composição. O aço é não magnético e não possui temperatura de Curie.

Aço ferrítico — segunda maior classe de aços inoxidáveis, constituindo aproximadamente 25% da produção de aço inoxidável. Os aços inoxidáveis ferríticos são formados essencialmente de cromo (Cr), sem conteúdo significativo de níquel (Ni). A ausência deste último resulta em menor resistência à corrosão que a vertente austenítica (aços inoxidáveis crom-níquel). O aço é magnético e possui temperatura de Curie.

Aço martensítico — pequena categoria de aço inoxidável caracterizada pelo uso do tratamento térmico para endurecimento e fortalecimento. Os aços martensíticos são formados essencialmente de cromo (Cr), sem conteúdo significativo de níquel (Ni). O aço é magnético e possui temperatura de Curie.

 

Revenimento é o processo de reaquecimento que aumenta a ductilidade e afeta a resistência de uma estrutura endurecida (martensita). A microestrutura do aço temperado e revenido é chamado de martensita revenida.

 

Soldagem de tubo é um método de soldagem longitudinal de tubos e perfis de aço e alumínio pelo uso de indutores ou contatos elétricos. A matéria prima é enrolada e preparada em tiras com largura e grossura correspondentes às dimensões do produto final. A tira é alimentada em uma linha de conformação e soldagem e moldada por roletes antes que as extremidades sejam unidas pela soldagem. O processo de soldagem é feito sem liga ou metal de enchimento, já que as extremidades são aquecidas até a temperatura de forjamento e pressionadas umas contra as outras.